domingo, abril 10, 2011

Maioria dos líderes evangélicos dos EUA acredita que dízimo não é exigido pela Bíblia

Embora muitos dizem ofertar no mínimo 10%, dados mostram que os cristão americanos entregam menos de 3% do que ganham.

Uma pesquisa elaborada pela Associação Nacional de Evangélicos (NAE – sigla em inglês) revelou na quarta-feira, 5, que a maioria dos líderes evangélicos acredita que a Bíblia não exige que os Cristãos dizimem.
No total, 58% dos entrevistados (membros do conselho de diretores da NAE) disse que não acha que dar 10 por cento da renda para a Igreja é mandatório pela Bíblia, enquanto 42% acham que sim.
Provavelmente a forma como a pergunta foi elaborada pode ter interferido no resultado da pesquisa já que a questão era se o dízimo era ou não obrigatório. Por esse motivo que Dr. John Walton, professor do Antigo Testamento na Wheaton College, em Wheaton, Illinois, disse que não ficou surpreso com o resultado depois que viu a formulação da pergunta.
Muitos dos líderes da NAE observaram em sua resposta que, embora o dízimo seja um modelo legal do Antigo Testamento, os Cristãos do Novo Testamento devem dar de sua generosidade. A maioria esmagadora, 95 % dos entrevistados disseram que dão pelo menos, 10 por cento de seus ganhos.
Dr. Kurt Fredrickson, diretor do Programa Doctor of Ministry no Seminário Fuller, em Pasadena, Califórnia, apontou para John Wesley, fundador do movimento metodista, que deu muito de sua renda, e ganhou mais e manteve seu padrão de vida da mesma. Ele acabou dando cerca de 90 % de seu dinheiro e vivendo com 10 %.
“É sobre como damos todo o nosso ser a Deus, o que inclui dinheiro, é claro, mas também o nosso tempo e os dons,” disse Frederickson, que foi pastor durante 24 anos.
Ao contrário de quase todos os líderes da NAE que disseram que dizimaram pelo menos 10 por cento, Empty Tomb, Inc., relatou que os evangélicos ofertam às Igrejas apenas cerca de quatro por cento dos seus rendimentos. Entre todos os Cristãos, o percentual é ainda menor – apenas 2,43 por cento.
Douglas LeBlanc, autor do Dízimo: Provai-me Nisto, Comentou: “O que me enlouquece é que se houvesse um mandamento mais explícito para dar o dízimo, acho que ainda haveria gente que diria: ‘Não somos escravos da lei depois de tudo.”
“Os Cristãos americanos em particular, eu acho, nunca vão deixar de encontrar uma saída do dízimo, se eles não estão interessados.”
O Presidente da NAE, Leith Anderson comentou no final da pesquisa que espera ver mais “generosidade, proporcionada, alegre e sacrificial entre os evangélicos americanos” nos próximos anos cada vez mais as Igrejas oferecem cursos financeiros e ensinam sobre mordomia.

Com informações Christian Post

Fonte: Gospel prime / Redação: Diante de Deus

0 comentários:

Postar um comentário