sábado, dezembro 31, 2011

Deus, onde estás?

Acordei, então fiz minha oração diária que dizia: “Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, Me salva de mim mesmo e Tenha Misericórdia de mim”. Levantei-me, coloquei uma música e fui para o meu devocional diário. Fiz conforme minha rotina mandava tudo nos conformes para “buscar” a Deus. Aconteceu-me que não senti em momento algum a presença de Deus, então me questionei: Deus, onde estás?
 Inconformado com Deus, continuou então meu questionamento: Deus, onde estás? Porque não o senti nessa manhã, como das outras vezes?
Inconformado e sem resposta, dei início ao meu dia. Abri a janela do meu quarto e logo vi o sol brilhando com sua majestade. Seu brilho irradiou-se no meu quarto, trouxe-me uma paz e pensei: Deus, obrigado pelo Sol. Após alguns minutos olhando-o o sol foi embora, o tempo fechou e nublado ficou. Sem entender o que acontecia o questionei novamente: Deus, onde Estás? Meu humor mudou, fiquei fechado e revoltado com Deus. Além de não senti-lo na minha oração Ele ainda tirou o “meu sol”.

Continuei com minha rotina diária de escrever meu artigo, pesquisar sobre o assunto, ler outros artigos e parafrasear idéias na minha cabeça. Fui ao meu encontro com os Garis partilhar de alguns momentos de alegria e trocas de experiência. Mas até mesmo com eles me senti frio, sentia que não refletia a imagem de Cristo pra eles naquele dia. Pois bem, vim embora, entrei no meu quarto e mais uma vez questionei Deus dizendo: Deus, onde estás?
O tempo passava, as horas corriam e nada de achar uma resposta a essa pergunta que me pairava a cabeça por todo meu dia. Fui pra faculdade, me reuni com meus discípulos na célula e ao final dela fiquei confiante, pensei comigo mesmo que tinha “encontrado Deus” no meu dia. Cheguei à sala de aula alguns minutos antes da aula começar e me pairou um pensamento na cabeça: “Tudo o que falei, era MEU conhecimento. Não era algo ministrado por Deus”.
Chegando extremamente revoltado em casa dessa vez não questionei Deus, o deixei de lado. Não queria saber de ouvi-lo no final do meu dia, sendo que precisava dele o dia todo comigo, afinal eu tinha o encontro com os Garis e a célula na faculdade. Senti-me abandonado por Ele.
Minutos antes de dormir pensei comigo: “Hoje não vou orar”. Fechei meus olhos e meu dia passou como um filme na minha cabeça, desde a minha primeira oração “obrigada”, por rotina. O Espírito Santo então começou a ministrar, me fez analisar literalmente o meu dia me fazendo perceber que não sou nada sem Ele, mas que Ele não quer habitar em mim por “obrigação”. Não pude conter as lágrimas e de fato orar com todo meu coração:
“Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, Salva-me de mim mesmo, tenha misericórdia de mim”.
No final do meu dia, eu percebi que TUDO o que faço por “obrigação”, até mesmo uma oração, Deus não quer. Ele não quer algo forçado, algo por rotina. Ele quer que nos escondamos Nele, andando no caminho, com o amor D’ele sobre nós, mudando nossos passos, iluminando nossos rostos.
 ”Vocês me procurarão e me acharão quando me procurarem de todo o coração” – Jeremias 29:13
A minha resposta a pergunta: Deus onde estás? Foi simples.
“Eu estou aqui o tempo TODO, você que não percebeu”

Fayson Merege – Transformados pelo Evangelho

0 comentários:

Postar um comentário